Ceriblog

Creatio Continua

Inventário – Redline Film Festival

Recebi hoje a ótima notícia de que nosso curta-metragem Inventário foi selecionado no Redline International Film Festival realizado em Toronto, no Canadá.

É a primeira seleção internacional do curta, que foi rodado em junho do ano passado em Londrina com o trabalho de uma equipe espetacular que deu vida ao lindo roteiro de Alessandra Pajolla; um projeto que tive o prazer imenso em dirigir.

Para mim, foi uma experiência intensa e inesquecível. Começou – como sempre começa – com algumas folhas de papel, rascunhos, conversas com a Alessandra. Tínhamos em comum a vontade de realizar e de aprender pelo caminho. Foi uma construção e reconstrução que começou com as primeiras leituras em cafés, montagem da equipe, encontros na NTVídeo para castings, ensaios, prazos, planos, sonhos.

E, passo a passo, o filme foi se transformando nessa coisa viva, pulsante. O Inventário estava revelando seu verdadeiro caráter, sua vocação para vir ao mundo. Ele seria irrealizável sem a visão estética de Bruno Marconato, sem a fotografia onírica e corajosa de Anderson Craveiro, sem o apoio incondicional de Kung e o trabalho constante de Juliana Boligian, Camila Melara, Marina Stuchi, Bruno Bergamo, Thais Blanco, Carlos Fofaun Fortes e de toda a equipe de assistentes e de pós-produção que se dedicou completamente ao projeto.

Ao mesmo tempo que nascia o filme, os personagens escritos também ganhavam alma. Tive a sorte de encontrar pelo caminho o grande Adriano Garib, um mestre que proporcionou o meu maior desafio como diretor. O elenco secundário foi formado pelos velhos (e novos) amigos Jersey Gogel, Raissa Bessa, Luís Henrique Bocão, Luciano Pascoal e toda equipe de figurantes, que se comprometeram com o filme e mergulharam em seus papéis. Muito obrigado por me acompanharem nessa aventura.

A seleção em um festival é sempre importante porque valida o trabalho de toda a equipe. Pessoalmente, posso dizer que dirigir ‘Inventário’ reforçou o meu maior desejo: o de continuar fazendo Cinema. Sou eternamente grato por isso. Muito obrigado!

INVENTÁRIO

Adriano Garib
Raissa Bessa
Jersey Gogel
Luís Henrique Silva Bocão

Luciano Schmeiske Pascoal
Cauã Fonseca Agostini
Arthur Fonseca Agostini

Roteiro – Alessandra Pajolla
Direção de Fotografia – Anderson Craveiro
Design de Produção – Bruno Marconato
Direção de Arte – Camila Alcantara Melara
Som Direto – Bruno Bergamo
Produtor Executivo – Nilton Kenji Tanabe
Direção de Produção – Juliana Boligian
Figurino – Thais Blanco
Produção de Set – Marina Stuchi

1º Assistente de Direção – Alessandra Pajolla
2º Assistente de Direção – Carlos Fofaun Fortes
Continuísmo – Raquel M. Deliberador

Assistentes de Produção
Juliana Pereira
Yashiro Manuel Imazu

Assistente de Arte – Anna Martha
Assistente de Figurino – Adriana Lepri
Assistente de Som – Eduardo Lopes Touché

Assistentes de Fotografia – 
Leonardo Tanabe
Reinaldo Gabriel Martins (Schwartz)
Estevan Vicentini

Casting – Marina Stuchi
Produção de Locação – Bruno Marconato
Maquiagem – Ec Make Up
Músico | OST – Arthur Faraco
Charges – Fí

Still | Making Of – Marina Pires
Operador de Drone – Leonardo Tanabe
Operador de Steady – Manoel Coimbra
Gaffer – Ricardo Costa Barros

Montagem – Rafael Ceribelli Nechar
Trilha Sonora Original – Tim Fernandes
Mixagem de Som – Otavio Santos | Felipy Andrade (Overdub Audio)
Correção de Cor – Luis Cesar Terra

Figuração – Aleksa Marques | Bia Black | Benedita de Fátima | Bruno Fernandes Polli | Bruno Vieira Lionel | Caco Piacenti | Cao Oliver | Carol Alves | Derick Guerreiro Vaz da Costa | Eduardo Benvenhu | Gisele Fabris | Guizo | Hermano Pellegrini | Janaína Ávila | Larissa Pádua | Lucas Pullin | Luca Zamyr | Maicon Nalin | Marcelo Pajolla | Martim Fernandes | Marcos Cardoso Viscardi | Mark Raul Punk | Matheus Yuri | Matt Dinamite | Nathan Stuchi | Paulo Cesar Pires | Kurt Mcveight | Silvia França | Savignon | Vitor Struck | Vivian Sola | Yuri Muller

Trilha Sonora

Crappy Jazz – “Não Me Vê
Red Mess – “Raskólnikov”

Apoio –

Vida Frutê
Comfort Suites Londrina
Boussolé Gastrobar
Alameda Gastronomia & Pizzaria
Pizzaria Donatello
BangkokGarden Londrina
Café com Propósito – 100% vegano 
Ferro Velho Batista 
Pajolla Mídia
Grande Londrina
Pizza Show Londrina

Agradecimentos –

Antonio Nechar 
Bar Estoril
Kim Cana
Margarida Marcolino de Jesus
Marian Trigueiros
Rogério Tavares
Isaac Fontana

Produção – Ntv Cine Vídeo

* O filme foi produzido com recursos da Secretaria Estadual de Cultura do Paraná e da Ancine, através do edital de fomento à produção audiovisual 004/2017.

O Passageiro

Trecho do texto de Michelangelo Antonioni sobre seu filme “O Passageiro” (1974). Traduzido por Ceriblog.

A história de ‘O Passageiro’ é, talvez, minha própria história como artista, como um diretor. Eu não sei se vou resistir: não estou falando sobre a tentação de mudar de identidade, porque todos têm isso. Estou falando sobre destino, e do fato de que cada um de nós carrega seu próprio destino em si mesmo. Eu não sei se vou resistir à todas essas ações que, no final da vida, se juntam para formar o destino de um homem. Alguns resistem, outros não.

Talvez seja um erro mudar de identidade: você abre mão da vida e morre. Tudo depende do que você vai fazer após assumir sua nova identidade. É um pressuposto que provavelmente vai fazer a pessoa entrar em conflito com a própria existência. Um jornalista sempre vê a realidade com uma certa consistência, uma coerência ambígua de seu próprio ponto de vista, que parece objetiva para ele, e só para ele. (…) Afinal, tudo que faço é absorvido em uma espécie de colisão entre a realidade e eu mesmo. Nem lucidez ou claridade estão entre minhas qualidades. Eu nunca vou encontrar nada que seja equivalente à minha própria imaginação.

O filme inteiro é ambíguo, mas eu acredito que é isto que lhe dá um senso concreto. O Ser, diz Heidegger, é o Ser-No-Mundo (dasein). Quando o personagem de David sente que este é o fim (mas provavelmente nem ele tenha certeza), ele já não está no mundo. O mundo está fora da janela. É uma reportagem de sua própria morte.

Poucas pessoas entenderam que, por detrás do personagem de Jack Nicholson, estava eu mesmo. Como ele, eu quis por muitas vezes mudar minha identidade, minha vida, meus encontros, esquecer dos meus amores e dos meus deveres, das minhas presenças e ausências para tomar a identidade de um estranho. Eu também quis começar uma nova aventura.

O Cirquinho do Teteu

Ele tinha, pelo que me lembro, talvez dez ou onze anos. Era o mais novo dos irmãos e havia montado, no quintal da sua própria casa, uma tenda improvisada com algumas cortinas sustentadas por cabos de vassouras velhas. No centro, um balde de lavar roupas virado ao contrário. Ao redor, algumas banquetas para o respeitável público assistir ao espetáculo. Pregada com um alfinete, uma folha de papel anunciava a atração principal: o palhaço Teteu.

Aquele era seu palco. Era o maior circo do mundo; igual aquele no qual seu pai (que ele nunca conheceu) tentou fugir com a malabarista alguns anos antes. Igual aquele que ele – nas noites de verão em São José do Rio Preto – vendia pipoca na pracinha da frente, tentando espiar por entre as frestas para ver alguma coisa.

Ele saiu de casa para chamar os amigos. Quando voltou, tudo estava destruído. Na parede, letras grandes escreveram com giz: “O Cirquinho do Teteu abriu falência”. Alguém tinha acabado com tudo. Eu ouvi essa historia de meu avô muitas vezes. Em uma delas, ele me confessou que chorou.

Onze, cavalo. Doze, elefante. Treze, galo. Quinze, jacaré. Os números do jogo do bicho eram uma daquelas coisas que ele nunca esqueceu, mesmo no fim da vida. Quando tinha quinze anos, ganhava alguns trocados vendendo cartelas em uma banca de jornal e por isso precisava saber os animais de cor. Um dia, ele arriscou e acertou “na cabeça” de uma dezena. Eu lembro dele sorrindo contando essa historia, enquanto a gente subia a ladeira para seu antigo escritório no alto da Lapa. Ele me contou que pegou todo o dinheiro – sua pequena ‘fortuna’ – sentou em uma pastelaria e comeu três pasteis e um guaraná de dois litros. Ele sempre havia sonhado em fazer isso. “Rafinha, foi o dia mais feliz da minha vida”.

Eu cresci ouvindo as historias do meu avô. Ri muitas vezes das mesmas piadas. Cresci sabendo que ele tinha uma ironia inteligente (e sarcástica) por trás de todos seus atos. Entendi meu avô, minha família e minhas raízes através dos antigos filmes italianos, caminhando por pequenas vilas, comendo pasta e assoviando; enxergava ele em todas as esquinas da Itália. Aprendi a ter prazer em cada pedaço de pudim de leite.

Dizem que, quando um homem morre, um universo inteiro se apaga. Eu tenho lágrimas nos olhos pensando nisso, sentado em um banco de um pub vazio a dez mil quilômetros de distância de casa.

Sei que, no fundo, não é verdade. Teteu, onde quer que você esteja, seu universo se expandiu; a escalação do América –  Seu irmão Ernanes jogando bola – O terrível bandido Lino Catarino – As mulheres turcas da vendinha no centro de Rio Preto – O velho Francesco dançando e tocando gaita com sua longa barba branca.

As cortinas do seu palco estão fechadas, mas suas historias caminham comigo na neblina dessa noite. Vou guardar elas com minha própria vida. Obrigado por tudo, vovô. Eu sempre vou te amar.

Lines to a Girl 5 Days After Her 21st Birthday

Back to the Palace

And Home to a stone

She travels the fastest

Who travels alone

Back to the pasture

And home to a bone

She travels the fastest

Who travels alone –

Back to all nothing

And back to alone

She travels the fastest

Who travels alone

But never worry, gentlemen

Because there’s Harry’s Bar

Afderas on the Lido

In a low slung yellow car

Europeo’s publishing

Mondadori doesn’t pay

Hate your friends

Love all false things

Some colts are fed on hay

Wake up in the mornings

Venice still is there

Pigeons meet and beg and breed

Where no sun lights the square

The things that we have loved are in the gray lagoon

All the stones we walked on

Walk on them alone

Live alone and like it

Like it for a day

But I will not be alone, angrily she said

Only in your heart, he said. Only in your head.

But I love to be alone, angrily she said.

Yes, I know, he answered

Yes, I know, he said.

But I will be the best one. I will lead the pack.

Sure, of course, I know you will. You have a right to be.

Come back some time and tell me. Come back so I can see.

You and all your troubles. How hard you work each day.

Yes I know he answered.

Please do it your own way.

Do it in the mornings when your mind is cold.

Do it in the evenings when everything is sold.

Do it in the springtime when springtime isn’t there

Do it in the winter

We know winter well

Do it on very hot days

Try doing it in hell.

Trade bed for pencil

Trade sorrow for a page

No work it out your own way

Have good luck at your age.

  • texto escrito em 1951 por Ernest Hemingway. Retirado do  livro ‘Ernest Hemingway – Complete Poems’
retirado do livro ‘Dylan on Dylan’. traduzido por ceriblog.

Existe uma historia de um monge que diz o seguinte:

De uma criança você deve aprender (1) Seja sempre Feliz (2) Chore por tudo o que você quer.

De um ladrão você deve aprender: (1) Trabalhe de Noite (2) Se você não Conseguir o que Quer, tente Novamente na Próxima Noite (3) Ame seus Companheiros de Trabalho (4) Arrisque sua Vida por Pequenas Coisas (5) Não dê muito valor a Nada, mesmo que Tenha Arriscado sua Vida por isso – Faça como um Ladrão, revenda o objeto por uma Fração do seu Valor Real (6) Suporte todo o tipo de Misérias e Torturas, mas Permaneça quem Você é (7) Acredite que seu Trabalho vale a pena e não Mude de Opinião.

Eu achei isso ótimo, e tive que escrever para me lembrar.

Quando escrevo uma música penso naquela luz efêmera.

Você sabe,  é o som da rua com os raios de sol, o sol brilhando em uma hora particular, em um prédio específico. Um certo tipo de pessoas andando por um certo tipo de rua. É um som lá de fora que vem pelas janelas e que você consegue ouvir. É o som de sinos e de trilhos de trem distantes e discussões em apartamentos e o barulho dos talheres e facas e garfos e tiras de couro.

Isso é tudo – tudo que preciso está ali.

« Older posts

© 2019 Ceriblog

Theme by Anders NorenUp ↑